quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Se eu não fosse pobre...


E não tivesse um jantar de Natal para preparar, degraçava-me. Oh se desgraçava!


O colete, a blusa, a camisola e os sapatunfos, tudo da Stradivarius e tudo que ficaria um mimo de lindo no meu roupeiro.

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Dos anónimos infelizes (uma vez mais!)


Eu sei que já felei uma e outra vez sobre a quantidade de gente execrável que anda na rua disfarçada de gente normal. Mas há coisas que batem tão lá no fundo que custam a acreditar.



Tem que se ser alguém muito doente, muito sádico e perverso para escrever uma coisa destas.
Eu, que não sou ninguém na blogosfera, já recebi alguns comentários que me fizeram pensar no tipo de gente indecente que anda por aí, imagino pois a caixa de comentários de um blog como o PMD, ao mesmo tempo que tiro também alguns segundos para ponderar as coisas que se poderiam fazer com este tipo de gente, caso tivessem a coragem de dar a cara e assumir as barbaridades que escrevem.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

A menos de dez dias do Natal


Consegui, pela primeira vez, que à mesa de Natal se juntassem os dois lados da família (meu e de Excelso Esposo) e que o Natal seja em minha casa. Vão faltar as minhas sobrinhas, que este ano, também pela primeira vez, não ficam conosco porque obriga a lei que vão passá-lo com o pai, com ou sem vontade delas. Se vai dar um trabalhinho do caraças? Vai! Se a casa vai ficar em pantanas? Vai! Se eu estou contente com isso? Muito!


Às vezes dou por mim a ter vergonha de ser mulher*


Que tipo de gaja** é que sabe que o homem com quem está acabou de sair de um divórcio e passados menos de três meses acha que é boa ideia apresentar-se num evento social onde vai estar a ex-mulher, os filhos do casal e todos os amigos comuns, numa cena de casal feliz e apaixonado?!?

Dele nem falo, até porque já disse tudo AQUI. Falo dela e da falta de compaixão por outra mulher que é mais que sabido que ainda está a lamber as feridas...

______________________________________________
*bem sei que isto é muito mais uma questão de personalidade do que de género, mas incomoda-me esta falta de vergonha na cara/indiferença tão característica de algumas mulheres.

**assim mesmo, gaja; com tudo o que o termo tem de depreciativo!

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Ninguém me paga para isto (mas eu faço à mesma!)


Pois que pensando nas pequenas Felores que aqui aparecem de quando em vez decidi compilar alguns dos produtos 3xB que têm feito as maravilhas dos meus dias. Pois que são coisinhas bonitas, jeitosas e muito amigas da carteira e que após experimentar todas aconselho a investir em cada uma delas, caso estejam à procura de algo dentro do género, vá. Comecemos, portanto:


Aquecedor catalítico da Galp. Bem sei que o facto de ser a gás nos faz pensar em trezentas e vinte e sete razões para isto ser má ideia, mas eu sou pessoa que tem frio e para quem andar dentro de casa com tanta roupa como quando saio à rua é impensável e a modos que tive que me fazer esperta, já que fazer-me sócia da Edp ainda não é opção! Procurei, investiguei, li e reli fóruns. As opiniões positivas superavam em muito as negativas e, portanto, decidi tentar. Em boa hora o fiz. O aquecedor tem três níveis de potência e um sistema de segurança que corta automaticamente o fluxo de gás caso haja alguma fuga. Aquando da compra a marca oferece uma botija e um seguro gratuito no valor máximo de €30.000 para eventuais danos que possam ocorrer (há pessoas que consideram este ponto um mau sinal, eu acho o contrário, se a marca achasse que aquilo ia dar asneira não ia oferecer seguros a torto e a direito, que isto é gente que oferece uma salsicha a quem lhe comprar um porco!), não faz o ar pesado e passado dois ou três dias, quando passa aquele cheiro do metal novo em contacto com o calor, deixa de se sentir qualquer cheiro no ar. Ah, e tem um design giro, que também não é mau. 
Quanto a consumos, que era um dos meus receios inicialmente, posso dizer que estou maravilhada. Lá em casa o aparelho está ligado uma média de cinco horas por dia, todos os dias, numa utilização aproximada de meia hora na potência máxima, três horas na média e o restante - quando o ambiente já está agradável - no mínimo. Pois bem, ainda vou na primeira botija de gás e já comprei o aparelho há quase dois meses. Portanto, casa quentinha por cerca de €12/mês está mais que bem para mim. 

Eu comprei o meu no supermercado e.leclerc por €119 (é o sítio mais barato, pelo menos aqui na zona) com 20% de desconto (aproveitei uma campanha especial). Neste momento o Continente está com uma promoção de 10% em cartão sobre o preço total de €126. 


Ainda continuando na secção do 'sou friorenta, oh pois sou', estou incrivelmente surpreendida com este edredão da Ikea. É o modelo Mysa strä, custou €25 e é a coisa mais quentinha que eu tive em cima do lombo nos últimos tempos. Para terem uma ideia, só coloquei os lençóis de Inverno este último fim-de-semana quando anunciaram a vaga de frio e já acordei umas duas ou três vezes durante estas noites cheia de calor. Só tenho o edredão e os lençóis na cama e quando me deito parece que cheguei ao céu (imaginando eu que o céu seja uma coisa para lá de boa, vá!). Resumindo, é leve como uma pena e quente como um forno.


E ainda no tema cama, aconselho vivamente as capas de edredão do Lidl. Sim, meujamigos, do Lidl. Volta e meia eles fazem uma promoção com três ou quatro modelos, todos a menos de uma nota de vinte e, por norma, de dupla face. A qualidade é muito superior às da mesma gama de preços da Ikea e fazem um vistão na cama. Esta minha é padrão floral de um lado e às riscas do outro lado. 


Finalmente na secção beleza feminina, a minha última descoberta. O secador Taurus 2100 com motor AC. Isto é maquineta para 2000w de potência e bem sei que não é muito, verdade, mas como tem o tal motor AC que é o mesmo que é utilizado nos secadores profissionais (brinquedos esses para custar várias dezenas de euritos) o rendimento é acima da média. Além disso, a ponta remomível é bastante fina o que permite direccionar o ar na perfeição. Tem também a vantagem de ser totalmente revestido por um material que não sobre aquece, ou seja, podem pegar nele como Vos der mais jeito enquanto estão a esticar o cabelo que não correm o risco de o largar tal a queimadura que fizeram nos dedinhos por distracção. O preço? Eu comprei na Media Market por €24.90.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Porque hoje estou especialmente comunicativa


Porque é bom, porque Excelso Esposo gosta muito e porque eu vou gostando cada vez mais!

Os Senhores da Edp


Os Senhores da Edp acham que o pessoal é todo ignorante e portanto gostam de fazer habilidades. 
Os Senhores da EDP andam há um mês a afirmar que as leituras de gás que eles (não) fizeram entre Maio e Agosto de 0 KWh estão correctas e que os 890 KWh que facturaram de Agosto a Outubro também estão certos, nós é que entretanto decidimos emigrar (mas não sabíamos!) e não comemos nem tomamos banho em casa mas só porque somos gente caridosa aceitamos pagar um consumo de electricidade que supostamente não fizemos porque supostamente nós nem estávamos a morar naquela casa nesse período.

Como em casa de ferreiro, espeto de pau, Excelso Esposo, que sabe bem o que a casa gasta, já perdeu a paciência com os tais Senhores da EDP e já os ameaçou com várias coisinhas más. Eu que muito raramente saco a minha veia de jurista cá para fora e até sou muito calma e pacificadora nestas questões, decidi intervir agora fazendo uma cartinha com toda a matéria de facto e de direito em questão. Porque há uma coisinha que os Senhores da EDP não sabem, a Cláudia é a pessoa mais conciliadora deste mundo mas só até lhe chegar a mostarda ao nariz. Quando chega ao ponto de já lhe sentir o cheiro, a Cláudia prefere partir a quebrar e, portanto, é mais certo eu ir a tribunal por €100 do que pagar um cêntimo daquela factura.

E ainda sobre mamas (e porque eu tenho um lado kinky muito apurado)!


Confesso que na sequência do post anterior e em virtude dos muitos comentários que fui lendo blogosfera fora sobre o assunto, neste blog inclusivé, houve uma questão que me suscitou uma enorme curiosidade voyeurista.

Quando a mãe opta por dar de mamar à criança até bastante tarde [18/24/30 meses] em que ponto da situação é que fica a vida sexual do casal?! 

E assumo o total desconhecimento sobre o assunto e ponho de lado qualquer julgamento que possam entender estar associado. Não há aqui qualquer crítica subentendida, sublinho. Apenas curiosidade real.Se a mulher amamenta durante dois anos estará, obrigatoriamente, vinte e quatro meses em modo mimosa, portanto, entre lençóis a coisa processa-se como? Sempre vestida da cintura para cima? De lingerie sexy mas com discos de amamentação por baixo? Vigora a regra básica do 'não mexe, não toca!'?

Repito, não se trata de uma crítica/julgamento, apenas de curiosidade prática, portanto agradeço desde já a Vossa preciosa contribuição.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

E já que falamos em mama...


Pois que parece que a actual polémica das redes sociais se prende com ISTO. Houve, portanto, uma senhora que quando lhe pediram para tapar a mama num local publico ficou ofendida porque, ao que parece, por estar a alimentar uma criança isso lhe dá o direito de se pôr não à vontade, mas à vontadinha.
Como é mais que sabido, nestas coisas que metem mães, crianças e, sobretudo, amamentação há todo um culto religioso e opiniões contrárias são sacrilégio, mas arrisquemos o pescoço.

O grande argumento é que na praia também há mamas ao léu. Ora como pessoa que até é adepta da mama ao léu nas raras vezes que vai à praia, tenho para mim que a coisa é ligeiramente diferente. Até porque quem se dispõe a ir para a praia já sabe ao que vai e o que pode encontrar. Ir à praia e ficar ofendido com a nudez alheia é mais ou menos a mesma coisa que alugar um filme porno e ficar surpreendida com ter cenas de sexo.

Amamentar uma criança é um acto natural, contra factos não há argumentos. Se eu sou obrigada a levar com a naturalidade das mamas alheias pelos olhos a dentro quando estou a fazer compras num centro comercial ou a almoçar num restaurante? Não me parece. Da mesma forma que também é natural os senhores porem a pilinha de fora para fazerem algo tão natural como urinar e não é por isso que lhes é socialmente permitido que o façam no meio da rua.
A minha grande questão aqui é se essas mães que se sentem tão à vontade em escarrapachar as mamas inflacionadas aos olhos de todos o fariam se não houvesse criança como desculpa? Assim, no meio da rua, no meio do café ou da festa da escola do irmão mais velho.
Será realmente assim tão ofensivo pedir para colocar uma fralda/lenço/guardanapo/o que quer que seja a tapar? Não deveria ser um momento íntimo de mãe e filho e, como tal, feito com o máximo recato possível?

Eu não tenho filhos e mesmo sendo adepta do topless na praia, um dia se os tiver não estou propriamente a imaginar-me a sacar da mama no meio do restaurante ali no intervalo entre a picanha e o doce de leite da sobremesa, mas isso sou eu que acho que 'uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa'.


quarta-feira, 3 de dezembro de 2014

Quem não chora não mama!


O meu tablet avariou. Primeiro começou a ter problemas na actualização automática de software e depois acabou mesmo por falecer. Como ainda está na garantia levei-o à worten, onde foi comprado. Inicialmente levei apenas o tablet já que o problema era, como disse, de software. O funcionário que me atendeu pediu-me, no entanto, para ir nesse mesmo dia entregar o carregador e o respectivo cabo usb também. Assim fiz, pensei que ia lá num pé e vinha noutro mas a funcionária que entretanto estava ao serviço pediu-me para aguardar na (enorme) fila, uma vez que para receber o equipamento tinha que se certificar que estava tudo em ordem. Na altura pareceu-me irritante, hoje agradeço. Isto tudo nos últimos dias de Outubro.
Há cerca de uma semana, estava eu em pleno supermercado e ligam-me a dizer que era da parte da assistência técnica da worten e que queriam-me propor um orçamento de €19.90 para troca dum cabo usb, uma vez que o que tinha sido enviado não era o original. Hesitei, referi que achava estranho pois tinha quase a certeza que tinha enviado o original mas que iria confirmar mais tarde. Perguntei se a pretensa avaria no cabo usb influenciava o motivo inicial da minha queixa. Que não, nada tinha a ver. Referi que o prazo para entrega do equipamento terminava dali a menos de uma semana e que pretendia que este fosse cumprido. Ah, sabe, como lançamos este orçamento o prazo de trinta dias reinicia. Disse-lhe que não fazia sentido porque estavam a reportar uma situação num equipamento do qual eu não fiz qualquer reclamação e alertei para esse facto. Desliguei, cheguei a casa e fui confirmar a questão do cabo. Fui à gaveta onde estão todos os cabos e carregadores de tudo o que é maquineta e traquineta de casa e passei aquilo a pente fino. Como suspeitava só lá estava um cabo usb da Asus (marca do tablet) e que pertence a Excelso Esposo, que tem um aparelho exactamente igual ao meu e na folha onde a menina registou a entrega do cabo e carregador, depois de os ter analisado minuciosamente, nada constava sobre a não-originalidade dos mesmos.
Domingo, dois dias depois de já ter expirado o prazo para me entregarem o equipamento, vou à loja e a senhora diz que está tudo dentro do prazo pela tal questão do lançamento do orçamento e eu começo a bufar e explico calmamente que não aceito esse argumento. O material entregue era integralmente o original e dei-lhes uma semana para me entregarem o meu equipamento ou faria queixa formal (Excelso Esposo queria ir mesmo mais longe e exigir a devolução imediata do valor integral do equipamento por incumprimento dos prazos mas eu sou pessoa que não gosta de complicar a vida aos outros só porque sim e para mim negociar fazia mais sentido). 

Ontem lá recebo o sms a dizer que já podia levantar o tablet na loja. Hoje lá vou, já a contar com o que me esperava. O equipamento estava efectivamente reparado da avaria que eu tinha reportado e em boas condições, o meu carregador (ou um igual mas original) e um cabo que eu nunca tinha visto na vida. No apoio ao cliente a resposta foi que não podiam fazer mais nada. E é porque eras, digo-lhes eu. De imediato faço constar a vontade de fazer reclamação formal e em menos de cinco minutos me é apresentada a alternativa de mandarem vir um cabo novo, a custo zero. Aceito, como é óbvio, e vou à minha vidinha.
Isto tudo para quê? Para dizer, primeiro que, por esta e outras experiências anteriores, o serviço de pós-venda da Worten é uma porcaria (sendo que agora vale inclusive tentar enganar o cliente para se safarem das responsabilidades!) e, depois, para Vos dizer que quando sabem que têm razão, não se fiquem! Sejam sempre educados (lá diz o ditado que quem perde a educação perde a razão) mas não se deixem levar, mesmo que isso implique perderem uma hora inteira de almoço ou terem que chamar trinta e sete funcionários diferentes até chegarem àquele que Vos soluciona o problema. A desonestidade e o facilitismo é uma linha comum a estas grandes empresas, por isso, cabe-nos a nós contrariar essa tendência.

terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Dos problemas matrimoniais



A propósito DESTE post dei por mim a pensar que lá em casa não temos grandes problemas dentro deste género. O homem é asseado e arrumado sempre que usa a casa-de-banho e com isso nunca precisei de me preocupar. Por norma não há congestionamento, apesar de termos apenas um wc, porque os horários são, regra geral, muito distintos. No entanto há um problema nesta coisa da partilha dos lavabos. Se o homem nem se lembra de tocar em nada que seja de maquilhagem, acessórios de cabelo, depilação e similares, o mesmo não acontece com os cremes.
Não há creme que vá parar àquela casa-de-banho que não seja experimentado por Excelso Esposo. Cremes de corpo, então, é um regabofe pegado. O melhor é quando eu acho que tenho um frasco quase intacto e vou a ver e já passou de meio há muito tempo! Como aquele creme caríssimo da Bioderma que eu comprei para utilizar apenas nos dias muitos frios de Inverno de forma a acalmar os picos da minha pele atópica e que um dia destes vi que estava praticamente no fim. 'É booom! Deixa a pele um mimo de macia!'- diz-me ele todo satisfeito quando o confronto com a prova do crime.

Eu até já utilizei o argumento sexista e pouco pedagógico de lhe dizer que tanta mariquice com hidratação corporal e um dia destes chego a casa e tenho um bilhete a dizer que afinal o amor da vida dele era o Joaquim Augusto que trabalha na oficina da manutenção lá da empresa. Mas o homem é pouco susceptível a este tipo de argumentos falaciosos e rematou a conversa dizendo que por estar muito a vontade com a sua masculinidade é que pode usar aquilo tudo e ainda me fazer feliz entre lençóis (é um modesto, este meu marido!). 

E pronto, lá fico eu sem argumentos e sem cremes.

segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

E por falar em gatos...


O que mais se lê nas redes sociais por estes dias são os relatos minuciosos das aventuras de escalada e desflorestação de árvores de Natal por esses lares fora, responsabilidade integral de criaturas felinas.
A minha árvore também já está montada, bem no centro da sala.


Com direito a presépio em musgo natural e tudo, que se é para cumprir tradições é para ser rigorosa!
Entretanto, ao contrário do que parece ser a regra, D. Gil não lhe liga nenhuma. Ignora-a por completo. O estrago máximo foi um dos reis magos caído, depois de ter levado com a bola de esponja que D. Gil usa para estimular os seus sprints casa fora. De resto, como bem sabemos, D. Gil pertence à realeza e, portanto, há que manter a sua alcunha #gilomagnanimo intacta, senão atentemos:

D.Gil não pedincha comida, usa o seu charme a seu favor ( e sim, o meu gato tem uma cadeira ou banco onde se senta a todas as refeições sem, no entanto, nunca tocar na mesa sem a devida autorização).


Tem sempre uma manta sua no sofá e faz questão de dormir bem no centro do mesmo, não vá não ter espaço suficiente para se esticar.

 Apesar de gostar de ostentar uma fama de misantrópico, sempre que apanha os servos em casa exige atenção.

...se os ditos servos estão mais numa de dar atenção um ao outro, ele arma-se em penetra e faz questão de mostrar que ambos lhe pertencemos.


sábado, 29 de novembro de 2014

Cat-person only!


Aquele momento em que o teu gato,  muito pouco dado a colo fora do sofá, te salta para cima quando trabalhas no pc e se enrosca em ti a ronronar por largos minutos (...enquanto tu pensas que tens coisas para ir fazer mas não lhe queres estragar o momento)!


sexta-feira, 28 de novembro de 2014

Ninguém me paga para isto (mas eu faço à mesma!)


Gostais de perfumes daqueles mesmo bons e que, por consequência, custam uma pequena fortuna? Gostais de cremes, geis e outras mistelas de certa qualidade para aplicar diariamente no lombo? Gostais de brincar aos artistas e colorir beiços e outras áreas da vossa rica fronha? Gostavas de ter tudo isto a preços bem mais simpáticos do que os que se praticam por todo o reino da tugolândia?


Pagamento através dos meios habituais online e ainda a contra-reembolso sem custos adicionais. Portes grátis a partir de vinte euros e encomendas entregues em mão por uma transportadora em cerca de 3 dias. Não tendes de quê.

(repito, ninguém me pagou/ofereceu/aliciou com nada para fazer este post, é tão só um bom serviço que eu já usei e recomendo!)

quinta-feira, 27 de novembro de 2014

It's karma, bitch!


Pois que a dita cuja por uma incrível coincidência e desconhecimento de quem lá trabalha teve a infelicidade de contactar a empresa principal para a qual eu trabalho para contratar um serviço. Serviço esse que o meu patrão me veio a correr pedir para dar orçamento (sendo ele prévio conhecedor de toda a nossa história) com um sorrisinho malicioso nos lábios.
Diz-me ele que ela faz questão que sejamos nós a assumir os trabalhos, digo-lhe eu de imediato que alguém vai pagar €500 a mais na factura, a titulo de indemnização do que gastei pela borrada dela. Responde-me ele "o preço de custo é este mas tu é que fazes sempre os arredondamentos dos orçamentos, por isso eu nem sequer tenho nada a ver com isso".

Portanto, como a vingança é um prato que se serve frio e eu tenho pouca vocação para  Madre Teresa, alguém vai ficar arder com uma nota das roxas e não sou eu!